quinta-feira, 27 de agosto de 2009

O MEDO É O OPOSTO DO AMOR


O amor é irradiação, a fragrância de se conhecer a si mesmo, de ser quem você é. O amor é alegria que transborda.
Amor é quando você viu quem você é, então não há nada exceto compartilhar seu ser com os outros.
Amor é quando você vê que você não está separado da existência. Amor é quando você se sente uma unidade orgânica, em orgasmo com tudo que é.
O amor não é um relacionamento, o amor é um estado de ser; ele não tem nada a ver com outro alguém. Uma pessoa não está em amor, ela é amor. E claro, quando alguém é amor, está amando - mas isto é uma conseqüência, um subproduto; isto não é a origem. A origem é que esta pessoa é amor.
E quem pode ser amor? Certamente, se você não está consciente de quem você é, não pode ser amor. Você será medo. "O medo é exatamente o oposto do amor."
Lembre-se, o ódio não é o oposto do amor, como pensam as pessoas; o ódio é o amor de cabeça para baixo, não é o oposto do amor. O verdadeiro antônimo do amor é o medo. No amor a pessoa se expande, no medo a pessoa se encolhe. No medo a pessoa se fecha, no amor a pessoa se abre. No medo a pessoa duvida no amor a pessoa confia. No medo a pessoa é deixada sozinha, no amor a pessoa desaparece, por isso a questão de estar só nem existe mais. Quando alguém não é, como pode estar sozinha? Então estas árvores e os pássaros e as nuvens e as estrelas estão dentro de você. Amor é quando você conhece seu céu interior...
A criança pequena está livre do medo; as crianças nascem sem medo algum. Se a sociedade puder ajudá-las e apoiá-las a permanecer sem medo, puder ajudá-las a subir nas árvores e montanhas, e a nadar nos oceanos e rios, se a sociedade puder ajudá-las de todas as formas possíveis para que se tornem aventureiras, aventureiras do desconhecido, se a sociedade puder criar uma grande curiosidade em vez de dar a elas crenças mortas, então as crianças se tornarão grandes amantes, amantes da vida - e esta é a verdadeira religião. Não existe nenhuma religião mais elevada que o amor.
Medite, dance, cante e vá fundo dentro de si mesmo. Escute os pássaros mais atentamente. Olhe para as flores com reverência, com admiração. Não se torne um conhecedor, não siga rotulando as coisas. Isto é que é o conhecimento - a grande arte de sair rotulando as coisas, categorizando tudo. A partir de agora, comece a tocar violão ou aprenda a tocar flauta. Encontre pessoas, se misture a elas, com tantas pessoas quanto possível, porque cada pessoa expressa uma face diferente de Deus. Aprenda com as pessoas. Não tenha medo, a existência não é sua inimiga. A existência é como uma mãe para você, a existência está pronta para apoiá-lo de todas as maneiras possíveis. Confie, e você começará a sentir um novo brotar de energia em você; esta energia é amor. Esta energia quer abençoar toda a existência, porque nesta energia as pessoas se sentem abençoadas. E quando você se sente abençoado o que mais você pode fazer exceto abençoar toda a existência?
O amor é um profundo desejo de abençoar toda a existência.
(Trecho de ‘The Guest’ – Osho)

Um comentário:

Rayna disse...

sem comentarios de tão lindo q é